qua, 24 de abril de 2024 01:11

Juíza mantém data para reunião na Assembléia de Deus

Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, juíza em substituição legal na 9ª Vara Civil de Cuiabá, considerou “inoportuno” o pedido feito pelo primeiro-secretário da subsede da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Cuiabá e Várzea Grande, pastor Nelson Barbosa Alves. Ela manteve a assembleia geral da instituição convocada para a próxima terça-feira, dia 4, para a homologação do novo presidente da entidade na região metropolitana.

A decisão proferida no final da tarde desta terça-feira (28) se referiu a pedido que havia sido feito por meio de uma “manifestação” no último dia 23, alegando que a convocação não cumpria o estatuto da igreja e intentava a suspensão ou o cancelamento da Assembleia Geral convocada para o dia 4 de Agosto, que tem a finalidade de homologar o nome do pastor Silas Paulo de Souza, filho do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, morto no início do mês devido ao coronavírus.

A juíza considerou, na sua decisão, a manifestação do primeiro secretário uma inovação. “A insurgência/irresignação do terceiro é alheia ao objeto da demanda, tratando-se de verdadeira inovação ao processo, e assim sendo, é defeso o seu conhecimento”, escreveu Sinii Saboia.

A ação proposta por Nelson Barbosa oficializou a crise na igreja depois que a própria juíza Sinii Saboia nomeou Enézio Barreto Rondon, como Administrador Provisório subsede, no último dia 14. Enézio e a diretoria, segundo consta na ação de Nelson, entraram em rota de colisão já na primeira reunião que tiveram.

Nelson Barbosa fundamentou seu pedido na proibição da prefeitura em relação a aglomeração de pessoas na cidade por causa da pandemia, e também pelo método de votação por aclamação, que não seria apropriado porque o nome do indicado para assumir a presidência, Silas Paulo de Souza, não seria consenso.

De acordo com a petição, foram convocados todos os membros da igreja para a Assembleia Geral do dia 4, o que daria mais de 20 mil pessoas.

Na sua decisão de hoje a magistrada Sinii não entrou no mérito das argumentações de Nelson quanto a questão da pandemia, tampouco das eventuais contradições estatutárias. Segundo ela, o pedido, além de inoportuno, mas também extrapolou a ação original – que foi a nomeação do administrador provisório.

“Dessa forma, como o principal e único objeto da demanda é apenas a nomeação de um administrador provisório, e o pedido formulado extrapola os limites objetivos da lide, mostra-se inoportuno no bojo destes autos, motivo pelo qual não conheço do pedido”.

Os fiéis da igreja estarão com sua liderança dividida até o dia 4, entre os que querem a nomeação do filho do pastor Sebastião para sucedê-lo, e os que desejam outro nome, o que deixa o resultado da reunião indefinido.

Pr. Nelson Barbosa – 1º secretário da sub-sede

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

redes sociais

Notícias relacionadas

Ultimas noticias